Somos o perfume de Cristo

Ir. Patricia Victoria Jorge Villegas, EP

Calai-vos, calai-vos! — repetia o sacerdote, enquanto tocava com seu bastão as florzinhas que cobriam o prado à beira da estrada. Eis como São Paulo da Cruz procurava conter seus arroubos de amor a Deus quando saía a passear na primavera, pois as mimosas flores do campo falavam-lhe com irresistível eloquência, proclamando a perfeição infinita do Criador! Sem palavras nem vozes que pudessem ser ouvidas, mas simplesmente por sua formosura e perfume, elas arrebatavam o Santo; e ele, para não desfalecer de enlevo, via-se obrigado a pedir-lhes silêncio…

Se este pequeno fato evidencia o quanto “é a partir da grandeza e da beleza das criaturas que, por analogia, se conhece o seu Autor” (Sb 13, 5), há, porém, outro aspecto no qual poucas vezes detemos nossa atenção: o cuidado de Deus ao criar nosso corpo, dotando- o de sentidos. Por meio deles podemos não só tomar contato com as coisas materiais, como também nos elevar às sobrenaturais. Um esplendoroso panorama, os sons harmoniosos ou algum alimento saboroso muitas vezes servem de instrumento para nos recordar verdades superiores.

Tomemos como exemplo as agradáveis fragrâncias fabricadas pelas mãos humanas. Fruto do talento e do labor dos perfumistas, são elas elementos aprazíveis ao nosso olfato e à nossa alma, sobretudo quando se tornam pretexto para nosso Anjo da Guarda nos inspirar bons pensamentos, convidando- nos a refletir sobre o frescor da pureza, sobre a candura da inocência ou a limpidez de um coração reto. Não é raro, portanto, que os excelentes aromas sejam úteis para nos aproximarmos de Deus, como diz a casta esposa do Cântico dos Cânticos: “suave é a fragrância de teus perfumes; o teu nome é como um perfume derramado” (Ct 1, 3).

Decerto foi esta uma das razões pelas quais, no Antigo Testamento, Ele próprio instruiu Moisés na preparação da mistura odorífera para a unção dos sacerdotes e dos objetos sagrados (cf. Ex 30, 22?25), bem como do incenso aromático que todos os dias, pela manhã e à tarde, devia ser queimado no altar dos perfumes (cf. Ex 30, 34?36). Com isso, os fiéis podiam louvá-Lo dignamente e, ao mesmo tempo, ter uma noção das delícias eternas.

Entretanto, se consideramos os perfumes por outro prisma, eles têm uma lição a nos oferecer. Basta pensarmos numa requintada fragrância guardada num valioso frasco de cristal. Se ela tomasse vida e começasse a pensar, acaso preferiria ficar para sempre dentro daquele “palácio de vidro”, numa existência tranquila, ao invés de evolar-se pelo ar, impregnando-o com seu precioso odor? É evidente que não, pois está em sua natureza perfumar.

Ora, todos nós, batizados, “somos para Deus o perfume de Cristo entre os que se salvam e entre os que se perdem” (II Cor 2, 15). Eis a grande vocação do cristão: difundir por todo o mundo o sublime odor de Nosso Senhor Jesus Cristo, recordando aos homens que seu destino é a eternidade e em função dela se deve viver.

Um filho da Igreja jamais será como um bálsamo engarrafado, temeroso de expandir-se para não perder suas comodidades. Pelo contrário! De seu coração generoso, sempre pronto a lançar- -se em toda espécie de heroísmo, emanam a fé, a esperança e a caridade, que, penetrando no universo inteiro, conquistam almas para o Reino dos Céus e sobem ao trono de Deus como oferenda de agradável aroma.

Revista Arautos do Evangelho – mar 2015

2 ideias sobre “Somos o perfume de Cristo

  1. Resumo de conferencia, o ideal de Santidade.
    Santo; o que é ser Santo? É ser como Nosso Senhor Jesus Cristo aceitar como real, como verdadeiro tudo quanto Ele diz, fazer tudo quanto Ele manda, ser como Ele quer, e lutar para que o mundo inteiro seja como Ele.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *