Perfeita união

Ir. Letícia Gonçalves de Sousa,EP

Nosso Senhor Jesus Cristo, tendo uma missão redentora, poderia, desde a mais tenra idade, ter-Se manifestado plenamente aos homens como um profeta, como um rei, como o Messias esperado. Entretanto, quis Ele viver ocultamente durante trinta anos na casa de Nazaré, onde somente Maria e José O adoravam, em íntima contemplação e comunicação sobrenatural. Se Ele veio para conviver e ensinar aos homens, por que pregou só no fim de sua vida, durante três anos? Não era mais conveniente que dedicasse mais tempo ao apostolado entre o povo? Não fez Ele mais bem aos homens estando entre eles do que na casa de Nazaré?

As grandes missões devem ser precedidas por grandes momentos de contemplação, nos quais a oração e o silêncio burilam a alma para todas as formas de heroísmo. Cristo, sendo Deus, não precisava de momentos para recolher sua alma, pois constantemente via a face do Pai. Porém, como verdadeiro Mestre, deixou-nos este exemplo: durante nossa existência terrena, devemos nos dedicar primeiro à vida interior e depois às obras de apostolado.

Cabe-nos ressaltar ainda que, no decorrer dos anos de vida pública, Jesus dedicava longas horas para a oração e o recolhimento, e o mesmo aconselhava aos apóstolos, a fim de edificarem a Igreja com base neste princípio: “Jesus obrigou seus discípulos a entrar na barca e a passar antes d’Ele para a outra margem, enquanto Ele despedia a multidão. Feito isso, subiu à montanha para orar na solidão. E, chegando à noite, estava lá sozinho” (Mt 14, 22-23). São João Crisóstomo comenta a este respeito: “Despedida a multidão, sobe para orar, porque a oração exige repouso e silêncio. Não é todo aquele que ora que sobe ao monte, senão só o que reza bem e busca a Deus na oração”.[1]

Em outra ocasião, “retirou-se Jesus com eles para um lugar chamado Getsêmani e disse-lhes: Assentai-vos aqui, enquanto Eu vou ali orar” (Mt 26, 36). Assim o fez “para ensinar aos discípulos que na oração devem buscar a solidão”.[2] E em diversas circunstâncias assim agiu: antes do início de sua vida pública, retirando-se quarenta dias para o deserto (Cf. Mc 1, 12-13); antes de entrar em cidades onde exerceria muitas atividades apostólicas (Cf. Mt 14, 23) e, sobretudo, antes da Paixão; indo para o Horto das Oliveiras, onde passou a noite em oração (Cf. Lc 22, 39-45).

Vida ativa de Cristo

“Seria ingenuidade, ou pelo menos pobreza de senso comum, imaginar que a vida oculta de Jesus transcorrida num completo isolamento, fechada entre quatro paredes, sem a possibilidade do menor contato com a sociedade ao seu redor”.[3] Os fins da Encarnação exigiam que Nosso Senhor fosse manifestando-Se paulatinamente ao longo dos anos. Por isso, fatos como a perda e o encontro do Menino discutindo com os doutores da Lei comprovam sua missão apostólica desabrochando aos olhos dos homens.

Mais tarde em plenas atividades pastorais, Jesus dedicava-Se intensamente à salvação das almas:

Jesus percorria toda a Galileia, ensinando nas suas sinagogas, pregando o Evangelho do Reino, curando todas as doenças e enfermidades entre o povo.  Sua fama espalhou-se por toda a Síria: traziam-lhe os doentes e os enfermos, os possessos, os lunáticos, os paralíticos. E ele curava a todos. Grandes multidões acompanharam-no da Galileia, da Decápole, de Jerusalém, da Judéia e dos países do outro lado do Jordão (Mt 4, 23-25).

Há nos evangelhos, diversas passagens em que as atividades pastorais e zelo pelas com as almas transbordavam do Sagrado Coração de Jesus: “Reuniu-se tal multidão, que não podiam encontrar lugar nem mesmo junto à porta. E Ele os instruía” (Mc 2, 2). Percorrendo as cidades, curou e ensinou a todos: “Ao amanhecer, Ele saiu e retirou-Se para um lugar afastado. As multidões O procuravam e foram até onde Ele estava e queriam detê-Lo, para que não as deixasse”. Mas, o Salvador manifestava seu zelo também por outras almas que deveriam se converter pelo contato com Ele: “É necessário que Eu anuncie a boa nova do Reino de Deus também às outras cidades, pois essa é a minha missão” (Lc 4, 42-43).

Todas as virtudes em Jesus Cristo se harmonizam em grau máximo, de forma sublime. Assim, em sua vida, tanto o obrar quanto o contemplar são perfeitos e se completam. As narrações evangélicas souberam retratar este arco gótico, como vemos nesta passagem: “Entretanto, espalhava-se mais e mais a sua fama e concorriam grandes multidões para ouvi-Lo e serem curadas das suas enfermidades. Mas Ele costumava retirar-Se a lugares solitários para orar” (Lc 5, 16).

Nosso Redentor faz milagres nas cidades de dia e dedica a noite para a oração. E continua: “Mas Ele se retirava ao deserto para orar”, para dar a entender aos bons pregadores que não abandonem inteiramente a vida ativa, por amor à contemplativa, e a não desprezar os gozos da contemplação por uma atividade excessiva, senão que bebam na quietude da contemplação o que derramaram falando, ocupados com o próximo.[4]

Assim sendo, a vida ativa de Cristo não é contrária à contemplativa, e sim, um complemento. Exemplo para nós: nossa vida ativa deve ser um transbordamento de algo que se contemplou e se pôs em obras. A união entre ação e contemplação é superior a qualquer uma considerada separadamente.[5]

[1] JOÃO CRISÓSTOMO, Santo apud TOMÁS DE AQUINO, Santo. Catena Aurea in Marcum, VI, v. 45-52.

[2] JOÃO DAMASCENO, Santo apud TOMÁS DE AQUINO, Santo. Catena Aurea in Mateum, II, v. 36-38.

[3] CLÁ DIAS, João Scognamiglio. Eles viram, mas não entenderam.  In: Arautos do Evangelho. São Paulo: Ano VI, n. 61, jan 2007, p. 10.

[4]  GREGÓRIO DE NISSA, Santo apud TOMÁS DE AQUINO, Santo. Catena Aurea in Lucam, V, v. 12-16.

[5] Cf. ROYO MARÍN, Antonio. Teología de la perfección cristiana. Madrid: BAC, 2006, p.707.

Fazer tudo com espírito sobrenatural

Ir. Ariane Heringer Tavares, EP

Quem se dispõe verdadeiramente a seguir os passos de Nosso Senhor Jesus Cristo, não caminha, mas voa nas vias da virtude. E justamente por isso, faz de sua vida um contínuo sacrifício de louvor, desejando antecipar cada vez mais o dia em que o convívio com a Santíssima Trindade será eterno. A vida dos santos nos dá prova que, independentemente da vocação à qual foram chamados, ao longo de sua caminhada neste vale de lágrimas, não sabem senão falar com Deus ou de Deus para todos os que os rodeiam.

Santa Teresinha do Menino Jesus, como mestra de noviças no Carmelo de Lisieux, tinha um profundo zelo pela boa formação de suas subalternas, não perdendo nenhuma ocasião de dar-lhes algum ensinamento por meio de palavras e, principalmente, de exemplos. Certa vez em que a comunidade se ocupava com a lavagem das roupas, tocou o sino que indicava o término das funções e convidava todas à oração. Porém, como ainda faltasse muito por ser feito, a superiora julgou conveniente prolongar os trabalhos por mais algum tempo. Santa Teresinha, então, observando que uma das noviças trabalhava com especial ardor, aproximou-se dela e perguntou: “‘Que estais fazendo?’ ‘Eu lavo’, respondeu ela. ‘Está bem, mas interiormente deveis fazer oração; este tempo é do Bom Deus, não temos o direito de tomá-lo’”. 1

Este fato mostra claramente como uma alma verdadeiramente contemplativa pode, mesmo em meio às atividades mais corriqueiras do dia-a-dia, estar em contínua comunicação com Deus, rendendo-Lhe glória. É o que se passava em grau eminente com a Santíssima Virgem, que ao girar, por exemplo, a maçaneta de uma porta, dava mais glória a Deus do que muitos outros santos no momento de seu martírio.2

Tal vigor de alma não pode ser concebido sem se tomar em consideração a vida sobrenatural. O papel da graça consiste exatamente em iluminar a inteligência, em robustecer a vontade e em temperar a sensibilidade de maneira que se voltem para o bem. De sorte que a alma lucra incomensuravelmente com a vida sobrenatural, que a eleva acima das misérias da natureza decaída, e do próprio nível da natureza humana.3

É o que também se passava inúmeras vezes com outra Santa Teresa, a grande reformadora do Carmelo, que, apesar de suas frequentes viagens e trabalhos relativos à fundação de novos conventos, nutria uma intensa vida interior, que era a alma de todo o seu agir. Um dia, preparava ela deliciosas e frescas panquecas que seriam servidas no almoço do convento. Enquanto as fritava, seus pensamentos se elevaram a tão alto patamar que, de repente, viu-se objeto de um êxtase que a deixou transfigurada e extremamente luminosa. O mais interessante foi que, mesmo durante uma tão intensa comunicação sobrenatural, nenhuma panqueca se queimou. Pelo contrário, acabaram ficando ainda mais perfeitas e suculentas. Esse é um “belo símbolo do equilíbrio entre a contemplação e a ação. Quem deseja fazer boas ‘panquecas’ em matéria de apostolado, reze fervorosamente; se orar, o apostolado dará bons frutos; sem oração, os frutos serão menores ou nulos”. 4

Há, porém, da parte de alguns, uma desculpa frequentemente utilizada para deixar de lado o recolhimento: a famosa falta de tempo ou o excesso de ocupações, que preenchem os horizontes do homem, sobretudo na sociedade contemporânea.

Conta-se que Dom Chautard,5 um ilustre monge trapista, autor de “A Alma de todo apostolado”, certa vez foi abordado pelo primeiro ministro da França, Benjamin Clemenceau,6 que o indagou a respeito de como conseguia encontrar tempo para fazer tanta coisa. O religioso, com muita simplicidade, respondeu: “Acrescente às minhas ocupações diárias a celebração da Missa, a leitura do breviário, outras tantas práticas de vida de piedade, e então sobra tempo para as demais atividades”.7 A resposta impressionou profundamente o primeiro ministro, que não imaginava que o fato de acrescentar atos de piedade aos afazeres diários poderia fazer sobrar mais tempo para estes.

É, portanto, um “erro funesto pensar que o espírito prático é o oposto do contemplativo, gerando a falsa ideia de que a piedade de uma pessoa realizadora e dinâmica deve diminuir na proporção de suas obras, e que o tempo por ela dedicado à oração prejudica seus empreendimentos”.8

1 SANTA TERESA DE LISIEUX. Conselhos e lembranças. 4. ed. Trad. Carmelitas Descalças do Carmelo do Imaculado Coração de Maria e Santa Teresinha. São Paulo: Paulus, 1984, p. 71.
2 Cf. SÃO LUÍS MARIA GRIGNON DE MONTFORT . traité de la vraie dévotion à la Sainte Vierge, n. 222. In: Œuvres Complètes. Paris: Du Seil, 1996, p. 638.
3 CORRÊA DE OLIVEIRA, Plinio. Revolução e Contra-Revolução.5.ed.São Paulo: Retornarei, 2002 p.131.
4 Id. Santa Teresa: alma de rara grandeza. In: Dr. Plinio. São Paulo: ano IX, n. 103, out. 2006, p. 29.
5 Jean-Baptiste Chautard (*1858 – †1935), cisterciense trapista, abade do mosteiro de Sept-Fons (França).
6 Jorge Benjamin Eugênio Clemenceau. Político, escritor e médico francês. (*1841 – †1911).
7 CHAUTARD, Jean-Baptiste apud CORRÊA DE OLIVEIRA. Santa Teresa: alma de rara grandeza. Op.cit. p. 28.
8 CORRÊA DE OLIVEIRA. Santa Teresa: alma de rara grandeza .5.ed.São Paulo: Retornarei, 2002 p. 28.