A basílica da “montanha sagrada”

Ir. Elizabeth Veronica MacDonald, EP

Data venia à História, pode- se afirmar que a pedra fundamental do atual Santuário Nacional de Maria Auxílio dos Cristãos, em Erin, Wisconsin, não foi lançada nas primeiras décadas do século XX, mas sim no século XVII. Pois foi nessa remota época, antes de os Estados Unidos da América existirem como país, que certo sacerdote erigiu um altar de pedra na mais alta colina da região e a consagrou para sempre, como solo sagrado, nas mãos de Maria Santíssima.

Antigas tradições indígenas

Poucos dados se tem a respeito desse sacerdote. Chegou a ser identificado com o padre Jacques Marquette, famoso missionário jesuíta e explorador norte-americano, mas essa hipótese é hoje considerada improvável. Em qualquer caso, os índios da região conservaram entre suas tradições a figura de um “chefe de túnica negra” e inclusive faziam desenhos, na areia e na neve, representando- o com um crucifixo na mão e um rosário na cintura, rezando no alto da colina.

Quando, em 1842, fazendeiros irlandeses se instalaram nessa risonha paragem do centro-norte dos Estados Unidos, chamaram-na de Erin — uma forma poética de evocar seu país natal — e deram àquela montanha o nome de Holy Hill — Monte Sagrado. Anos depois, colonos alemães também chegaram à região e continuaram a nutrir uma reverência religiosa por aquele lugar, ao qual deram o nome de Montanha de Maria — Maria Hilfberg.

Certamente conheciam esses imigrantes as recordações lendárias dos nativos, mas o profundo senso religioso deles — especialmente dos provenientes da “ilha mística” — deve tê-los feito sentir na colina algum desígnio sobrenatural. Pois não se pode negar que o olhar de Maria Santíssima pousou sobre aquele lugar, fazendo germinar ali graças, inspirações e anseios que hoje se materializam no esplêndido santuário.

O enigmático eremita de Holy Hill

O primeiro nome associado a Holy Hill é o do francês François Soubrio. Diz-se que, enquanto servia como assistente de um professor de Quebec, encontrou um mapa e um velho manuscrito, datados de 1676, descrevendo uma região isolada dominada por uma alta colina em forma de cone e relatando a sua conquista em nome de Maria.

A descoberta fez nascer em sua alma o nobre desejo de pôr-se a caminho para edificar sua morada naquele local. Uma versão popular da história descreve-o chegando à montanha num estado de paralisia parcial, causada pela longa viagem, passando a noite em oração e sendo miraculosamente curado na manhã seguinte.

Embora lhe conheçamos o nome, o “eremita de Holy Hill” não deixa de ser uma figura enigmática. Alguns o descrevem como um penitente, uma alma que carregava “grande dor íntima e procurava conforto em Deus”1 seguindo as pegadas do salmista: “Apenas elevei a voz para o Senhor, Ele me responde de sua montanha santa” (Sl 3, 5).

Quando, por volta de 1862, os fazendeiros das redondezas souberam da existência desse eremita, acolheram- no inicialmente com desconfiança. Mas logo criaram-se laços de amizade: passaram a levar-lhe comida e até lhe construíram uma cabana.

Lugar de culto e peregrinação

Ora, certo dia, um sacerdote austríaco chamado Francis Paulhuber, responsável por três paróquias na região, declarou a um amigo: “Aquele lindo monte lembra-me fortemente uma montanha perto de casa, em minha terra natal”. E, a seguir, completou o corriqueiro comentário com uma intuição quase profética: “Tenho certeza de que não está longe o dia em que ele se tornará um dos locais mais destacados deste país. Ele será consagrado e tornado santo; transformado num lugar de culto e peregrinação, aonde dezenas de milhares virão prestar homenagem à Virgem Maria e a seu Filho…”.2

Padre Francis não era pessoa de construir castelos no ar, e menos ainda igrejas… Em 1855 comprou do governo norte-americano os pouco mais de 16 hectares do terreno em que estava encravada a colina, com a intenção de mais tarde ceder o local para a arquidiocese.

Ainda vivia o misterioso eremita quando foi erigido ali, em 1863, o primeiro edifício de culto: uma capela rústica, dedicada a Nossa Senhora Auxílio dos Cristãos. Dezesseis anos depois começaram os trabalhos para a construção de uma igreja, e algumas décadas mais tarde houve a necessidade de erigir um templo maior. Surgiu assim o santuário atual, em estilo neorromânico, consagrado em 1931 e elevado a basílica menor em 2006.

As palavras gravadas na pedra fundamental deste templo atestam o maternal dinamismo da presença de Maria em Holy Hill. Traduzidas do latim, dizem: “Por causa do crescente número daqueles que honram a Auxiliadora, a Bem-Aventurada Virgem Maria, eu sou a pedra fundamental do terceiro templo no topo desta colina”.

O edifício é belamente adornado com vitrais, mármores, mosaicos e imagens. No entanto, o mais significativo dos ornatos talvez sejam as muletas enfileiradas na entrada, testemunhas mudas da gratidão daqueles que foram objeto de uma das incontáveis formas de auxílio que Nossa Senhora prodigamente concede aos seus devotos.

A sós com Deus e Maria

Os Padres Carmelitas Descalços, responsáveis pelo santuário desde 1906, oferecem uma afável acolhida aos que desejam passar algum tempo de intimidade com Deus em Holy Hill. Por ano, 500 mil peregrinos acorrem ao santuário procurando este gênero de solidão no complexo que abrange hoje cerca de 175 hectares.

O panorama visto do alto das torres da basílica descortina quilômetros e quilômetros de magnífica natureza. No inverno, a exuberância da vegetação dá lugar à alvura da neve, e o santuário fica envolvido por um silêncio sacral. Remontando às palavras do salmista, bem poderíamos dizer que esta é a montanha que Maria, Auxílio dos Cristãos, escolheu para morar (cf. Sl 67, 17).

1 HISTORY of the Basilica, c.II. In: Basilica of the National Shrine of Mary Help of Christians at Holy Hill: www.holyhill. com.

2 Idem, c.VII.

Revista Arautos do Evangelho, Março – 2015, n. 159

7 ideias sobre “A basílica da “montanha sagrada”

  1. Salve Maria,Querida Ir. Elizabeth Veronica MacDonald, EP!
    Ir.Elizabeth,do Canadá…..que esteve no Cenáculo com a Irmã Maria Teresa Bassi,EP…..será a Sra.mesmo…..(pergunto-lhe….)….
    Quanta!!!saudades sinto da senhora e das demais Irmãs Arautos do Evangelho,EP.
    A Ana gostou muito!!!!!da Senhora.
    Muito obrigada por tão lindo texto!
    No final do texto,meu coração vibrou mais ainda de Alegria quando eu li que hoje quem cuida da Basílica são os Padres carmelitas Descalços.Sou devota de Sta.Teresinha do Menino Jesus!e durante alguns anos tive contato com os Carmelitas Descalços em Higienópolis(SP).e aí,nessa época,minha devoção à Sta.Teresinha aumentou mais ainda!
    Hoje,2015,com o(a)s Senhore(a)s Arautos do Evangelho,minha Família Querida em Cristo(+),estarei me Consagrando à Nossa Senhora de Fátima!!!Isso é uma Graça!E sou muito agradecida à Nossa Senhora por Tudo!e não desejo mais desagradá-LA.
    Ir.Elizabeth,rezar é muito bom!!!Estar em Silêncio,recolhida,contemplar e meditar!os Exercícios Espirituais Inacianos nos ajudam nesse sentido.Precisamos ter um local apropriado ,tranquilo ,agradável,mesmo que simples,e no simples que façamos algo muito bonito com a Imagem da Sagrada Família,flores e velas,se assim pudermos e dispusermos desses bens.Mas….que sobretudo estejamos com nossos corações puros!!!voltados humildemente,arrependidos com sinceridade de nossas faltas e com bons propósitos,e nos entregarmos de corpo e alma à Mãesinha do Céu!
    Quando aprendi AMAR de verdade!!!Nossa Senhora,aprendi que posso até errar,de vez em quando….(todos nós erramos!)mas o Caminho é seguir em
    frente,rumo ao Céu,buscando a nossa Santificação,fazendo também o melhor aqui em Vida terrena.
    Aprendi a Amar muito!!!!!a Nossa Senhora com o(a)s Senhores Arautos do Evangelho,Querido Monsenhor João Dias,EP,Irmãs,Eremitas,Sacerdotes,Religioso(a)s,Estudantes,funcionários que com cada um a sua maneira,Maria Santíssima,fizeram tocar meu coração.
    Amo todo(a)s o(a)s Senhore(a)s!
    Feliz Natal!!!!!
    Que Sta.Teresinha do Menino Jesus,Carmelita Descalça,derrame chuvas de bênçãos e lindas rosas nesse Natal de 2016 para toda a Família Arautos do Evangelhos.
    Um abraço fraterno.
    Ceres de Andrade Paes.

  2. Salve Maria!
    Essa Basílica pode-se aplicar as palavras de um grande escritor católico, descrevendo uma das igrejas da Europa.
    ´´Palavra da escritura, eis a Igreja de uma beleza perfeita alegria do mundo inteiro, eu teria dito oh! como está bem expresso. O espírito que inspirou todas essas catedrais nos aparece, e aí realmente mais nós vivemos no Céu do que na terra, e aí o nosso desejo de uma outra vida de conhecer um outro com Ó maiúsculo. O Céu deve ser assim, nós amamos ainda mais o Puríssimo Espírito Eterno invisível, que criou tudo aquilo para dizer, meu filho eu existo ame-Me e compreenda, isso é semelhante a Mim, mas sobretudo por mais belo que isso seja, eu sou infinitamente dissemelhante disso, por uma forma de beleza tão superior que é só quando me virem que verdadeiramente me darás conta do que Eu Sou.
    Vem meu filho, vem que eu te espero, luta por mais algum tempo que Eu estou me preparando para te mostrar no Céu, beleza ainda maiores na proporção em que for grande, e dura a tua luta, espera, que quando estiver pronto para veres aquilo que eu tinham intenção de que visses, quando eu te criei e te chamei.
    Meu filho sou Eu a tua catedral, a catedral demasiadamente grande, a catedral demasiadamente bela, a catedral que fez florescer nos Lábios da Virgem um sorriso como nenhuma joia fez florescer, nenhuma rosa e nem sequer nenhuma das meras criaturas que Ela conheceu, Essa catedral é Nosso Senhor Jesus Cristo, é o Coração de Jesus que tirou do Coração de Maria harmonias como nada tirou; ali tu conheceras.
    Ele disse Dele, serei Eu mesmo vossa recompensa Demasiada Grande.“

    • Salve Maria,Estimado Sr.Carlos Rogério!
      Que lindo!!!texto.
      O senhor sempre posta lindos textos também.Muito obrigada!por tanta gentileza.
      Achei lindo,esse trecho:
      “Meu filho sou Eu a tua catedral, a catedral demasiadamente grande, a catedral demasiadamente bela, a catedral que fez florescer nos Lábios da Virgem um sorriso como nenhuma joia fez florescer, nenhuma rosa e nem sequer nenhuma das meras criaturas que Ela conheceu, Essa catedral é Nosso Senhor Jesus Cristo, é o Coração de Jesus que tirou do Coração de Maria harmonias como nada tirou; ali tu conheceras.”

      Fazendo o Curso de Teologia na Contemplação Marial,aprendi que Nosso Senhor Jesus Cristo é a cabeça da Igreja e nós,somos os membros desse Corpo Místico que forma a Igreja!Jesus!!!!é a Catedral!!!!Jesus é lindo!E Nossa Senhora…..a Estrela Guia,a Rainha de nossos Corações!
      Um abraço fraterno.
      Ceres de Andrade Paes.

  3. Salve Maria,Sr.Carlos Rogério,
    Permita-me perguntar-lhe o nome do escritor católico que escreveu esse maravilhoso texto….Desejo rezar para ele!:)
    Será que eu o conheço…..

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *