Um minuto de reflexão

Ir. Juliane Campos, EP

Deus está sempre à espreita, esperando o momento para levar as almas dos pecadores à conversão. “Eis que estou à porta e bato: se alguém ouvir minha voz e me abrir a porta, entrarei em sua casa e cearemos, eu com ele e ele comigo” (Ap 3,20).

Deus criou o homem na total contingência, na dependência dEle, mas quer a cooperação humana no processo de sua salvação. Quer que o homem coloque seu amor para que frutifique a graça divina.

Embora Deus conceda a graça suficiente às almas, muitas vezes espera que estas cheguem ao mais fundo da miséria para lhes fazer ver, com uma graça fulminante, a enormidade de seus erros e pecados, pois o homem, por si mesmo, não pode sair do pecado.

Foi só quando desceu tanto, a ponto de querer alimentar-se com as bolotas dos porcos, que o filho pródigo da parábola, movido por uma graça, caiu em si e quis voltar à casa paterna.

Portanto, a graça para o ressurgimento do pecado é uma iniciativa de Deus.Toda conversão é fruto de uma graça, da ação do Espírito Santo. Ele fala a cada um segundo as suas necessidades; ora com majestosa severidade, ora com uma suavidade materna. Mas, nunca mente; sempre auxilia.

O Senhor não retarda o cumprimento de sua promessa, como alguns pensam, mas usa da paciência para convosco. Não quer que alguém pereça, ao contrário, quer que todos se arrependam” (2Pd 3,9).

Uma ideia sobre “Um minuto de reflexão

  1. Pingback: Um minuto de reflexão | Arautos do Evangelho

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *